DA PORTA PRA DENTRO!


Ser um discípulo autêntico dentro de casa!


“Chegou a Derbe e depois a Listra, onde vivia um discípulo chamado Timóteo. Sua mãe era uma judia convertida e seu pai era grego. Os irmãos de Listra e Icônio davam bom testemunho dele” (Atos 16.1-2).


INTRODUÇÃO

Provavelmente, a maioria dos cristãos tem em sua cabeça que ser um discípulo tem a ver com a igreja, com a participação de programas semanais, com a contribuição regular em sua comunidade, com cânticos de louvor e outros detalhes ainda.


Mas, na essência, é isso mesmo que é ser um discípulo de Cristo?


A definição simples da palavra discípulo é essa:

Discípulo = mathetês (μαθητης).

“A palavra discípulo se refere a um estudante ou aprendiz. Nos dias de Jesus, os discípulos seguiam seu rabi (que significa “mes­tre”) para onde ele fosse aprendendo com seu ensino e sendo instruídos a fazer o que ele fizesse. Basicamente, o discípulo é um seguidor”.


Somos seguidores de Jesus Cristo também “Da Porta Para Dentro de Casa”.

  • Somos discípulos de Cristo também quando fazemos nossas refeições.

  • Somos discípulos também quando dormimos.

  • Somos discípulos também quando acordamos de manhã.

  • Somos discípulos quando conversamos com nosso cônjuge em casa.

  • Somos discípulos quando cozinhamos, lavamos e passamos roupa, limpamos a casa e lavamos a louça.

  • Somos discípulos quando assistimos a televisão e quando vemos filmes na madrugada.

  • Somos discípulos quando lemos revistas e jornais.

  • Somos discípulos quando os pais viajam e ficamos sozinhos em casa.

  • Somos discípulos quando o cônjuge viaja.

Lembro que estive sozinho, hospedado num hotel em Miami, EUA. Depois de 17 dias de intensas atividades, viajando literalmente de Sul a Norte e de Leste a Oeste do país, pregando por 35 vezes, em 35 lugares, ainda precisava participar de um Congresso na Costa Rica. Mas o Congresso só aconteceria em 5 dias e eu tinha que ficar em algum lugar para o tempo passar. Me colocaram num hotel de alto padrão, uma suíte de muito confortável, que tinha todos os recursos de lazer disponíveis. Lá estava eu, diante de uma TV de 50 polegadas, com disposição de centenas de canais que incluíam praticamente tudo. Eu estava cansado. Eu estava fraco. Eu estava fragilizado. Mas eu era um di